Intuição da duração e experiência interior: Bergson entre filosofia e mística

Catarina Rochamonte

Resumo


Esse artigo se propõe a apresentar dois pontos do pensamento bergsoniano, a saber, a tese de que a duração com a qual se explica a própria subjetividade pode ser remetida também à natureza e a tese de que a experiência interna da própria duração redireciona a psiquê a um estágio de maturação propício à experiência mística. Nesse sentido, propõe-se conceber a relação entre intuição filosófica e intuição mística como um continuum de pesquisas interiores a estabelecerem um método que busca aproximar-se do espírito, delegando à ciência a parte específica de estudos que dizem respeito à análise da matéria.

 


Texto completo:

PDF

Referências


BELLOY, Camille de. Bergsonisme et christianisme. Les Deux Sources de la morale et de la religion au jugement des catholiques. IN Vrin | Revue des sciences philosophiques et théologique;2001/4 - TOME 85; pages 641 à 6; p.665

BERGSON, Henri. O pensamento e o movente: ensaios e conferências; tradução Bento Prado Neto. São Paulo: Martins Fontes, 2006

______. Les deux sources de la morale et de la religion. Paris: PUF, 2008

FENEUIL, Anthony. De l´immédiatement donné au “detour de l´expérience mystique”. Remarques sur l´unité de la méthode intuitive chez Bergson. IN PHILÓSOPHOS, GOIÂNIA, V.17, N. 1, 32 P. 31-54, JAN./JUN. 2012.

LEMOINE, Maël. Durée, différence et plasticité de l´esprit In Bergson: la durée et la nature; Paris, PUF: 2004


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.