Descritivismo metalinguístico e teoria da nomeação em Russell

Josailton Fernandes Mendonça

Resumo


A teoria semântica dos nomes próprios de Russell, apesar de ser uma extensão de sua bem estabelecida teoria das descrições definidas, é notadamente imprecisa e confusa. Russell, em suas obras de filosofia da linguagem, epistemologia e filosofia da matemática, adota diferentes teses acerca do significado dos nomes próprios. Ressalta-se na literatura a tese segundo a qual nomes próprios comuns abreviam descrições definidas. Apesar dessa tese encontrar apoio em sua epistemologia, posteriormente ao seu famoso artigo On Denoting Russell parece ter dificuldade em adotá-la em sua análise do comportamento semântico dos nomes próprios. Neste contexto, examino a sua teoria da nomeação, com ênfase na tese de que nomes próprios são abreviações de descrições definidas, aponto os limites dessa concepção e sugiro duas interpretações para essa tese: (i) uma interpretação cognitivo-psicológica: o falante tem uma disposição de associar ao nome a descrição definida com a qual ele tenciona singularizar o objeto; (ii) uma interpretação semântica: um nome N está semanticamente associado a uma descrição metalinguística, “O portador de ‘N’”, a qual unifica todos os possíveis usos específicos de N.


Texto completo:

PDF

Referências


BACH, K. What's in a name? Australasian Journal of philosophy, v. 59, n. 4, p. 371-386, 1981.

_________. Descriptivism Distilled, [Online]. Disponível em: http:// online.sfsu.edu/~kbach/oldies/descriptivism.html. Acesso em: 15 de setembro de 2008, 1994.

CASTAÑEDA, H.N. Thinking, language and experience.Minneapolis, USA. University of Minnesota press, 1988.

DONNELLAN, K. Reference and definite. In: OSTERTAG, G. Definite descriptions: a reader. Massachussets, Massachussets institute of technology, 1998, p. 173-193.

FREGE, G. Sobre o sentido e a referência. In: Lógica e filosofia da linguagem. Tradução de Paulo Alcoforado. 2 edição. São Paulo, Editora Universidade de São Paulo, 2002, p. 129-158.

_________. The Thoughts: A logical inquiry, Mind, new series, v. 65, n. 259, jul. 1956, p.289-311.

GRICE, H.P. Logic and conversation. In: COLE, P.; MORGAN, J.L. (eds). Sintax and Semantics. New York, Academic press, 1975, Vol. 3.

KATZ, J. Names Without Bearers. Philosophical Review, n. 103, v. 1, p. 1-39, 1994.

KNEALE, W. Modality De Dicto and De Re. In: NAGEL, E.; SUPPES, P; TARSKI, A. (Eds.). Logic, Methodology, and Philosophy of Science. Stanford, Stanford university, 1962.

LOAR, B. The semantics of singular terms. In: DAVIDSON, M. On sense and direct reference: readings in the philosophy of language. USA, Mcgraw-hill, 2006, p. 496-516.

______. Names and descriptions: A reply to Michael Devitt. In: DAVIDSON, M. On sense and direct reference: readings in the philosophy of language. USA, Mcgraw-hill, 2006, p. 524-528.

MEINONG, A. Theory of objects. In: CHISHOLM, R. M. Realism and the Background of Phenomenology. Glencoe, Free press, p. 76-117, 1960.

RUSSELL, B. On Denoting. Mind, New Series, v.14, n.56, p. 479-493, 1905.

__________. A filosofia do atomismo lógico. In: Lógica e Conhecimento: Ensaios escolhidos. São Paulo, Abril cultural, 1978, p. 53-125, (Os Pensadores)

__________. The Philosophy of Logical Atomism. London, Routledge Classics, 2010.

__________. Knowledge by Acquaintance and Knowledge by Description [Online], Disponível em: www.histanalytic.org/Russellacquaintance.pdf. Acesso em 23 de maio de 2008. 1910-1911.

RUSSELL, B. Introduction to Mathematical Philosophy. 2 ed. George Allen & Unwin, Ltd., London, 1920.

SEARLE, J. Proper Names. Mind, v. 67, p. 166-173, 1958.

STRAWSON, P. F. On Referring. Mind, New Series, v. 59, n. 235, 1950, p. 320-344.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.