A teoria da vontade segundo as questões 80 a 83 da primeira parte da Suma de Teologia de Tomás de Aquino

Richard Lazarini

Resumo


Segundo Tomás de Aquino, as faculdades volitiva e raciocinativa não só apaziguam e harmonizam as faculdades inferiores (como a concupiscível e a irascível), mas também possibilitam a deliberação dos meios para um fim que, do ponto de vista da vontade, seja bom: por silogismos, a razão apresenta um bem à vontade, a qual opta em aderir ou não a ele. Enfatize-se que o objeto próprio da vontade é o bem, o qual pode ser apresentado tanto particularmente quanto absolutamente. Como particular, o bem pode ser racionalmente assimilado e apresentado à vontade, ao passo que, como Absoluto, o Bem é Deus e, por isso, não pode ser assimilado pela razão, já que é ontologicamente superior à vontade e à razão. Nesta investigação, abordaremos não apenas a maneira pela qual há relação entre a vontade e os apetites inferiores, mas também o modo pelo qual a razão, por ser absolutamente superior à vontade – pois, ao contrário da vontade, o objeto da razão é assimilado pela própria razão –, permite Tomás dar mais importância à faculdade racional do que à volitiva em seu sistema filosófico.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.