A essência e a representação: uma análise acerca da crítica da imitação teatral em Rousseau.

Luciano da Silva Façanha, Antonio Carlos Borges da Silva

Resumo


No ano de 1757, D’Alembert compôs para o dicionário da Enciclopédia um verbete intitulado Genebra no qual o filósofo fazia uma série de observações sobre os costumes dos genebrinos. O autor questionava ainda a proibição dos teatros de comédia em seu território com o pretexto de proteger a juventude da corrupção dos costumes supostamente acarretada pelos espetáculos. Segundo D’Alembert, Genebra se equivocara quanto a esse ponto. Ao invés de proibir os espetáculos, deveria discipliná-los mediante leis apropriadas. Este fato, em síntese, levou Rousseau a escrever as suas objeções às opiniões de D’Alembert. Rousseau argumentou que, modernamente, o teatro havia perdido a sua relação de identidade entre as virtudes cívicas e aquelas representadas no palco, como se poderia constatar ao se estudar as origens da tragédia grega. O nascimento das artes dramáticas está associado a uma paideia, ou seja, a um ideal de formação ética do cidadão, com a finalidade de contribuir com o fortalecimento dos interesses coletivos (do Estado). Não obstante, Rousseau apontou a dependência das artes teatrais em relação ao interesse particular do espectador. Nesse sentido, as ações representadas no palco apenas reproduzem a moral vigente em uma determinada sociedade. Assim, uma sociedade degenerada não poderia representar outros valores morais que não os seus próprios. Coisa bem diferente se passa com as festas cívicas (públicas), realizadas ao ar livre e sem o aparato cênico dos espetáculos. Essas festas seriam excelentes oportunidades para os cidadãos mostrarem-se tal como são, sem os obstáculos da representação, que é artificializada. Como os espetáculos teatrais são realizados em locais fechados (privados), submetidos a uma série de normas, e mediante pagamento de ingresso, estes não seriam os mais adequados a uma pequena República nos moldes de Genebra, por exemplo. Este artigo objetiva discutir alguns pontos importantes da crítica de Rousseau aos espetáculos em geral. Assume-se que a crítica de Rousseau ao teatro, formulada na obra Carta a D’Alembert, se fundamenta no campo da análise da função social das artes. Pode-se depreender então que as artes dramáticas, enquanto representação, estão associadas à vida política e social de um determinado povo e que, desse modo, o pensamento estético em Rousseau se insere no contexto de uma crítica da cultura.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.