A “ideologia de juventude” como dispositivo de biopoder: a transformação de uma fase da vida em um estilo de vida, e o entrave à emancipação política

Kelly Janaína Souza da Silva

Resumo


Em suas investigações, Agamben atribui três características principais ao chamado dispositivo: ele possui caráter heterogêneo, se inscrevendo como uma rede que se estabelece entre elementos distintos; possui função estratégica concreta, que se encerra em uma relação de poder; e, por fim, é algo de geral, pois pode incluir em si a episteme dos enunciados científicos ou não. Assim, faz-se simples tomar por dispositivos aquelas disposições que escancaradamente se manifestam como tal, (aparelhos celulares, de TV, número do CPF, etc.), - formas que facilmente controlam os sujeitos com sua tácita autorização. Entretanto, dispositivos também podem ser, de forma menos óbvia, as ideologias, culturas, processos midiáticos, padrões de comportamento e qualquer outra forma que se encerre enquanto biopoder, sendo ampla e inquestionadamente aceita pela maioria. Atualmente, a ideia de juventude rende crianças e adultos: parece não haver uma demarcação precisa das configurações das etapas da vida. A solidificação da ideia de juventude como uma etapa que não compreende, necessariamente, uma fase ou faixa etária, compromete no “homem político” (homo zoon politikon) a emancipação e a autonomia, obnubilando o sentido de consciência em um cenário que torna trivial a emancipação política. É assim que ela pode ser entrevista como um dispositivo de biopoder.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Fragmentos Filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

AGAMBEN, Giorgio. O que é um dispositivo? Trad. Nilcéia Valdati. Ilha de Santa Catarina: Outra travessia, 2005.

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Trad. de Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó, SC: Argos, 2009, 92p.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BENDASSOLI, P.; SERAFIM, M. Bebezões a bordo. GV Executivo: Fator Humano. São Paulo, vol. 6, n. 1, pp. 49-53, Jan./Fev. 2007.

BENJAMIN, W. O capitalismo como religião. Trad. Nélio Schneider, Renato Ribeiro Pompeu. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2013.

BIRMAN, Joel. Mal estar na atualidade. A psicanálise e as novas formas de subjetivação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BRYMAN, Alan. A Disneyzação da Sociedade. São Paulo: Ideias e Letras, 2007.

CALLIGARIS, C. A adolescência. São Paulo: PubliFolha, 2000.

DEBORD, Guy. A Sociedade do Espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

ELIAS, Norbert. A Sociedade dos indivíduos. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

ERIKSON, E. (1968) Identidade, Juventude e Crise. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Nascimento da prisão. 11 ed. Trad. de Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994, 277p.

FOUCAULT, M. A governamentalidade. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1978, pp. 277-293.

GROPPO, L. A Juventude: ensaios sobre sociologia e história das juventudes modernas. Rio de Janeiro: Difel, 2000.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da

Silva, Guacira Lopes Louro. 9. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

HOBSBAWN, Eric. Era dos Extremos – O breve século XX (1914-1991). 2.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

KANT, Immanuel. Resposta à pergunta: Que é esclarecimento? Textos Seletos. Tradução Floriano de Sousa Fernandes. 3 ed. Editora Vozes: Petrópolis, RJ. 2005.

KHEL, M.R. A juventude como sintoma da cultura. In: NOVAES, R. e VANNUCHI, P. Juventude e sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. 2ª Edição. São Paulo : Fundação Perseu Abramo, 2007.

KEHL, M. R. A teenagização da cultura. Em Caderno Mais! Folha de São Paulo, edição 20/09/2001.

LEVI, G. & SCHMITT, C. (orgs.) História dos jovens I: Da Antiguidade à Era Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

LIPOVETSKY, Gilles. A Era do Vazio - Ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Trad. de Theresinha Monteiro Deutsch. Barueri: Manole, 2005.

MARK,M.; PEARSON, C. O Herói e o Fora-da-Lei: Como construir marcas extraordinárias usando o poder dos arquétipos. São Paulo: Pensamento, 2001.

MORIN, Edgar. As estrelas: Mito e sedução no cinema. 3.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1972.

MORIN, E. Cultura de massas no século XX. Rio de Janeiro: Forense, 2000.

ORTEGA Y GASSET, J. A Rebelião das massas. Trad. Marylene Pinto Michael. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

POSTMAN, Neil. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia, 2011.

REZENDE, B.C. Identidade: O que é ser jovem? Tempo e Presença, n. 240, CEDI, PP. 4/5, 1989.

VELHO, G. Juventude, apenas uma questão de marketing? In: Mudança, Crise e Violência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

WOLF, Naomi. O mito da beleza. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.