Notas sobre a crítica da inteligência em Proust (via Bergson)

André Paes Leme

Resumo


Estas notas tem o objetivo de introduzir a crítica da inteligência, conforme ela é formulada no ensaio Contra Sainte-Beuve, como leitmotiv da criação literária de Marcel Proust. O recurso ao pensamento de Henri Bergson se mostrará fundamental para o esclarecimento das objeções que a exigência da criação coloca a alguns dos temas mais clássicos da metafísica ocidental, a saber, as oposições entre razão e percepção e entre ser e devir. Disso se concluirá que a crítica da inteligência deverá ser vista como uma
propedêutica para a apreensão artística do real em sua intimidade, isto é, em contínua mobilidade.


Texto completo:

PDF

Referências


BERGSON, Henri. O pensamento e o movente. São

Paulo: Martins Fontes, 2006.

______. Matéria e Memória. São Paulo: Martins

Fontes, 2010.

______. A Evolução Criadora. São Paulo: Editora

Unesp, 2009.

CURTIUS, Ernest. Marcel Proust y Paul Valéry.

Buenos Aires: Editorial Losada, 1941

DELEUZE, Gilles. Crítica e Clínica. São Paulo: Ed.34,

DESCARTES, René. Discurso do Método. São

Paulo: Nova Cultural, 2000 (Os Pensadores).

LEOPOLDO e SILVA, Franklin. Intuição e Discurso

Filosófico. São Paulo: Loyola, 1995.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral. São

Paulo: Cia das letras, 2012.

PELBART, Peter. O tempo não-reconciliado. São

Paulo: Perspectiva, 1998.

PROUST, Marcel. Contra Sainte-Beuve. Notas sobre

crítica e literatura. São Paulo: Iluminuras, 1988.

______. O Tempo Redescoberto. São Paulo: Globo,


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.