Deleuze e o cinema como arquivo

Fernando Sepe Gimbo

Resumo


Trata-se de uma exposição da relação entre estética e política na obra de Gilles Deleuze a partir de seus estudos sobre o cinema. Para tanto a exposição se dá em três partes: 1) propor um viés de leitura do díptico sobre o cinema que coloque em primeiro plano o caráter histórico-crítico do estudo deleuziano. Nesse sentido, uma relação com a obra de Michel Foucault é sugerida. 2) explicitar o exato ponto de descontinuidade entre o cinema clássico e moderno. Aqui, o problema do tempo e da forma são analisados. 3) Mostrar como tal reflexão sobre o cinema se coaduna com a crítica deleuziana à sociedade de controle, assim como abre uma perspectiva para pensar a resistência política através da criação estética na relação entre o impossível e o intolerável.

Texto completo:

PDF

Referências


BAZIN, A. Qu’est-ce que le cinema, Les éditions du CERF, Paris, 20135.

BENJAMIN, Walter, Charles Baudelaire: Um Lírico no Auge do Capitalismo

(obras escolhidas III).São Paulo, Brasiliense, 1989.

_________, Magia e Técnica, Arte e Política (obras escolhidas). Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo, Brasiliense, 2ª ed., 1986.

BOURRIAUD, Nicolas. “A arte moderna e a invenção de si”, São Paulo, Martins Fontes, 2011.

BÜRGER, Peter. “Teoria da Vanguarda”, São Paulo, 2008.

DANEY, S. La rampe, Cahiers du Cinema Livres, Paris, 1996

DELEUZE, G. A imagem-tempo, edt. Brasiliense, São Paulo, 2011

_________, L’image-mouvement, les éditions de minuit, Paris, 1983

_________, Deux régimes de fous, les éditions de Minuit, Paris, 2003

_________, Foucault, les editions de minuit, Paris, 2004

DELEUZE, G. e GUATARRI, F. O que é filosofia, edt.34, São Paulo, 1993

_______, Mille Plateaux, les éditions de minuit, Paris, 1980

DOGEN, K., Shobogenzo, Suny Press, New York, 2002

DUDLEY ANDREW, J. The Major Films Theories, Oxford University Press, London, 1976

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber, Forense universitária, Rio de Janeiro, 2010

__________, Nascimento da biopolítica, edt. Martins Fonte, São Paulo, 2008.

GATTI, L. "Sou feito de palavras: A(s) voz(es) narrativa(s) em o Inominável de Samuel Beckett, in. Viso Caderno de Estética Aplicada, N.17, São Paulo, 2015.

LAPOUJADE, D. Deleuze e os movimentos aberrantes, N-1 editora, São Paulo, 2015

LUKÁCS, G. Trata-se do realismo, in. MACHADO, C.E.J. Um capítulo da história da modernidade estética: debate sobre o expressionismo. São Paulo, Editora Unesp, 1996.

_________, Narrar ou descrever? In. Ensaios sobre literatura, Rio de Janeiro, edt. Civilização Brasileira, 1965.

MACHADO, R. Deleuze, a arte e a filosofia, Zahar, Rio de Janeiro, 2009

MARRATI, P. La nouveauté de l ‘a vie, in Rue Descartes no 59, p.32-41.

________ , Gilles Deleuze: Cinéma et philosophie, Press Universitaires de France, Paris, 2003.

METZ, C. Essais sur la significacion au cinema, Klincksieck, Paris, 1968.

MILTRY, J. La sémiologie em question, Les éditions du CERF, Paris, 1987;

TARKOVSKI, A. De la figure cinématographique, in. Positif, n.249, Paris, 1981

ZOURABICHVILI, Z. Deleuze e o possível (sobre o involuntarismo na política) in Gilles Deleuze: uma vida filosófica, edt. 34, São Paulo, 2000


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.